A mensagem de 3 gerações

Alegria é ver chegarem ao ExperTreePARK, três seres humanos do sexo masculino e de idades distanciadas...
Há dias que levo uma daquelas mensagens para casa!
Há dias em que o “trabalho” no parque não é mesmo um trabalho.
Há dias que questiono, “mas afinal o que acontece de diferente na cabeça das pessoas para umas conseguirem e outras não?!”

Este segundo fim de semana de Outubro de 2020 recebi no parque aventura uma família aparentemente normal. Normal, até que começou a atividade. Começou a ser surpreendente quando equipei a criança, o pai da criança e o avô da criança. Por esta ordem.
O arborismo revelou-se, MAIS UMA VEZ, incrível por vários motivos. 
Talvez queiras ler mais um pouco...

A criança já tinha experimentado a actividade connosco em Junho 2020. Foi curioso porque nessa altura, ela ainda não tinha feito o percurso laranja, nem entrado na casa da árvore! Foi muito bom saber que esta criança tinha beneficiado emocionalmente após esta primeira experiência, no início deste Verão.

A criança quis começar à frente do pai e do avô. E assim foi.
Chegaram ao novo percurso laranja logo após terem passado com distinção no percurso branco de iniciação.

Se já fizeste arborismo sabes que quem vai à frente pode “tropeçar” nalgum jogo, não sabes? Falta aquela dica ou mesmo ver COMO fez a pessoa que vai à tua frente. 
O elemento com mais experiência de vida ia atrás do que tinha menos. E quando chegou ao primeiro slide do Laranja, não agarrou a corda quando chegou à plataforma...Pronto, lá voltou ele para trás!
Claro que rapidamente arranjámos forma de ele conseguir alcançar a plataforma e subi-la.

Nisto, o elemento que vinha em último - o pai da criança - riu-se e naturalmente repele a piada fácil e ao mesmo tempo doce, de que “já não vou cometer o teu erro e ainda bem que foste à minha frente!”

E os desafios entre árvores foram passando. Os jogos entre as árvores - pontes, redes e slides - foram sendo superadas também nos percursos amarelo e verde!

“E agora temos o percurso Azul” - disse eu. 
Aconteceu um compasso de espera. Uma espécie de reunião familiar para se tomarem decisões. Só que não foi à mesa. Aconteceu de pé. Ali, com os arneses vestidos e de CliC-iT’s na mão. 
A criança decidiu parar. Enquanto lhe despia o arnês, perguntei - “Foi divertido?”
Afirmou que sim. Desceu até ao parque de merendas para ir comer.

O pai e o avô da criança quiseram subir ao Azul. Desta vez o pai foi à frente do avô da criança. Entusiasmados!

Porque será que o pai foi à frente?
Não receberam nenhuma sugestão minha. Enquanto monitor, nem coloquei isso em questão. Porque nós monitores conseguimos calibrar e antecipar até se um participante consegue ou não consegue. Porque demonstra coragem, atitude de superação. Sobretudo quando o aventureiro olha para o percurso e diz “eu sou capaz”. Esses sim, são alguns dos indicadores que com a experiência sabemos e temos essa capacidade de aferição.

Mas porque motivo o pai quis ir à frente?
Talvez por querer ver a vista mais cedo e deitar-se no hammock?!
Talvez pelos 76 anos do seu pai?
(É verdade, setenta e seis anos!)
Porque se fosse preciso o ajudaria? 
Permite-me especular um motivo: Pela cumplicidade. Pelo Amor de pai e filho.

Terminaram o percurso azul. Um a seguir ao outro. Na mesma ordem que começaram.

Já depois de retirar o arnês a ambos. Estavamos sozinhos ali. Os três de máscara. Com um sorriso curioso por debaixo da máscara, mas que se notava nos meus olhos, perguntei ao pai da criança:
“Porque decidiram vir fazer arborismo?”
Eis as respostas:
- Porque o meu filho já tinha feito aqui e achei que ele poderia gostar de voltar.
- Porque estamos num fim de semana de família e decidi fazer esta surpresa ao meu pai.

Partilho contigo o que observei e interpreto o impacto positivo que sei que causámos a esta fantástica família!
A criança esteve muito feliz nas nossas Árvores e certamente levou consigo essa felicidade para “casa”.
O pai no meio da brincadeira deu por si a proteger e a ser protegido.
O avô, igual. Mas também o avô, com a idade de 76 anos faz ver a alguns com a metade da idade.
Eu não só espero, como quero fazer por isso de que com aquela idade ainda esteja apto para subir às árvores. Como este exemplo.

É isto que me leva a continuar a acreditar. É isto que me leva a colocar a minha energia e tempo na ExperTree.
Eu acredito que fazer Arborismo é muito mais do que subir e divertir-se nas árvores.
A Alegria que senti quando estas três pessoas chegaram, fez-me arrepiar quando foram embora.
O meu bem-haja a eles.
Que enquanto possam façam da sua vida especial. E a dos outros.
O meu dia ficou marcado.
Obrigado a eles.
Obrigado a ti por leres.

Pedro Tiago Mendes - ExperTree